porno hikaye cinsel sohbet sex sohbet

julieta em defesaA Faculdade de Letras e Ciências Sociais (FLCS) da Universidade Eduardo Mondlane (UEM), realizou no passado dia 3 de Agosto de 2017, mais uma prova de Doutoramento em Linguística, e desta vez tratou-se da estudante Julieta Machimuassana Langa, tambem docente nesta faculdade.

A candidata satisfez os requisitos previstos no artigo 38 do Regulamento dos Cursos de Pós-graduação da UEM e defendeu perante um Júri composto pelo Prof. Doutor Henrique Nhaombe como Presidente, Professor Doutor Armando Jorge Lopes como Supervisor, Professora Doutora Neusa Bastos como Arguente Principal, Profª Doutora Carla Maciel e Prof. Doutor Carlos Manuel como Arguentes Externa e Interno respectivamente.

Na sua tese “Uma abordagem interlinguística e intercultural à linguagem idiomática no discurso escrito em Português redigido por alunos universitários moçambicanos” foram processadas 57 composições integradas no género opinativo e no tipo argumentativo produzidas por estudantes do Curso de Ensino de Português da FLCS da UEM. Numa perspectiva exploratória, heurística e hermenêutica, o estudo identificou e analisou cientificamente os modos como os estudantes lidam com a linguagem idiomática no discurso escrito e apresentou conclusões sobre as tendências de processamento mental e constrangimentos linguísticos e extralinguísticos, incluindo, que influenciam a ausência de idiomaticidade. Com base nas categorias de análise de formações idiomáticas e formulaicas extraídas da Introdução à obra de Lopes et al. (2016), a exploração de cerca de 300 formações permitiu confirmar que (i) muitos dos erros gramaticais e infelicidades discursivas e idiomáticas que os estudantes cometeram ao escrever em Português resultam de transferências linguísticas e discursivas, ou de exposição a modelos de uso do Português que se afastam dos modos habituais e convencionalizados pelos falantes competentes; (ii) as infelicidades discursivas identificadas nas composições reflectem a distância entre a performance do falante nativo ou quase-nativo e a performance dos estudantes e os níveis de desenvolvimento da sua produção escrita, marcados pela falta de fluência e de proficiência; e (iii) as dificuldades de selecção e associação de itens linguísticos e de organização gramatical afectam o sentido (semântica) e o impacto (pragmático, retórico e discursivo) pretendidos na comunicação.

juri para julieta langa

Assistiram a sessão, docentes, colegas do corpo técnico e administrativo, bem como familiares e amigos, entre os quais o Director da FLCS Prof. Doutor Cláudio Mungói, Profa Doutora Inês Machungo, dra Conceição Siopa, Dr. Augusto Paulino, dr António Ndapassoa, dra Pércida Langa, dr Camilo Manusse, Prof. Doutora Cecília Mavale, entre outros.

A recém Doutorada é professora auxiliar e chefe da Secção de Linguística na Faculdade de Letras e Ciências Sociais, onde tem vindo a leccionar as disciplinas de Psicolinguística, Didáctica de Línguas, Revisão Linguística e Tradução. Os seus interesses de pesquisa recaem sobre os domínios de regulação e adequação da comunicação a grupos-alvo, e usos linguísticos em ambientes da comunicação social e de aprendizagem da língua portuguesa.

augusto paulino

Julieta Machimuassana Langa é co-autora do livro Claro e Directo: Como Escrever um Ensaio, 3ª Edição. Possui artigos publicados em livros e revistas de especialidade, com destaque para: Regras da Conversação em Programas Radiofónicos Interactivos (2010); Para uma Abordagem das Estruturas Cognitivas: Cenários Interpretativos (2009); Esboço para uma Análise da Equivalência no Léxico de Usos (2007); Estratégias de Tradução de Expressões Referenciais da Língua Portuguesa para a Língua Tsonga (1991); Challenges Facing Regulators in the Context of Mozambique. Dialogues on Global Broadcasting, Cultural Diversity and Regulation (2004); The Status of Mozambican Languages in Education (1998); Problèmes de Traduction Comme Problèmes de Communication Interculturelle (1997); Gramática e Ensino de Línguas (1984).

É Presidente Honorária da Rede das Instâncias Africanas de Regulação da Comunicação - RIARC/ACRAN (desde 2007) e Presidente do Conselho do Instituto Panos da África Austral (PSAf), desde 2014. Foi Presidente do Conselho Superior da Comunicação Social (1996-2009), membro do Comité de Conselheiros e do Comité Executivo da Agenda 2025 (2000-2013) e Coordenadora Geral do Movimento das Mulheres Moçambicanas pela Paz (1994-2000).