Skip to content
ukash bozdurma Technology News & Reviews test
Centro de Estudos de Línguas Moçambicanas

Para além dos varios departamentos que compoem a Faculdade de Letras e Ciências Sociais (FLCS), existem quatro (4) centros designadamente: O Centro de Estudo de População (CEP), Núcleo de Estudo de Terra e Desenvolvimento (NET), Centro de Estudos de Língua Moçambicana (NELIMO) e o Centro de Cursos Livres.
Os directores e coordenadores destes centros dependem directamente do director da FLCS, sendo por este nomeados ao abrigo do artigo 30 nº1 alínea d dos estatutos da UEM.

O Centro de Estudos de Línguas Moçambicanas é sucessor do Núcleo de Estudos de Línguas Moçambicana (NELIMO), fundado em 1980 pelo então Prof. Doutor Eugeniusz Rzewuski. Na altura, o objectivo principal do NELIMO era a promoção e desenvolvimento das línguas moçambicanas. Em Novembro de 2000, e em reconhecimento do grande impacto que a investigação linguística realizada no NELIMO em prol da promoção e desenvolvimento das línguas moçambicanas tem tido na sociedade moçambicana, o Núcleo foi elevado à categoria de Centro de Investigação da Faculdade de Letras.
Devido à sua importância histórica, foi decidido que este se deveria chamar “NELIMO - Centro de Estudos de Línguas Moçambicanas”.

Como centro de pesquisa, o NELIMO actua nos domínios da investigação, extensão, ensino e divulgação das línguas moçambicanas. No domínio da investigação e extensão, ao NELIMO cabe:

  • Promover a investigação das línguas moçambicanas e a sua estrutura, envolvendo docentes, discentes e individualidades de reconhecida competência no domínio da linguística e, particularmente, das línguas moçambicanas;
  • Promover o envolvimento da sociedade na investigação, preservação, valorização e divulgação das línguas moçambicanas;
  • Promover a investigação interdisciplinar das línguas moçambicanas e do seu impacto nos programas e acções de desenvolvimento cultural, económico, social e político.

    No domínio de ensino e divulgação, ao NELIMO cabe:
  • Produzir o material de ensino das línguas moçambicanas;
  • Estabelecer, com as instituições do governo, centros de divulgação e aprendizagem de línguas nacionais em diferentes regiões do país;
  • Promover a formação de docentes das línguas moçambicanas;
  • Controlar a qualidade do ensino das línguas moçambicanas;
  • Divulgar obras literárias sobre línguas moçambicanas;
  • Participar na concepção de programas curriculares de línguas moçambicanas.

As prioridades actuais da Direcção do NELIMO são:

  • Recolher informação sobre os trabalhos de pesquisa realizada por investigadores séniores do NELIMO (quer sejam projectos em curso, quer sejam projectos concluídos);
  • Recolher informação sobre trabalhos que estejam a ser realizados por outras instituições e/ou indivíduos na área das línguas moçambicanas (dicionários, gramáticas, livros, monografias, etc.);
  • Rever os relatórios sobre a situação linguística de cada província (Projecto 001) com vista à sua publicação (cf. os relatórios sobre a situação linguística das províncias do Niassa, Cabo Delgado, Nampula, Zambézia, Tete, Manica, Inhambane, Gaza e Maputo);
  • Reiniciar os contactos com os Núcleos de Línguas nas Províncias e a sua revitalização (e discussão sobre a necessidade de iniciação de colaboradores ou pesquisadores, em cada província) e definição de formas de articulação privilegiada dos colaboradores com o NELIMO;
  • Conceber de novos projectos (individuais/colectivos) que possam mobilizar fundos para o centro (Prof. Doutor Liphola).